Seja bem vindo

"Bem aventurados os irrepreensíveis no seu caminho, que andam na Lei do Senhor. Bem aventurados os que guardam suas prescrições e o buscam de todo o coração; não praticam iniquidade e andam nos seus caminhos. Tu ordenaste os teus mandamentos, para que os cumpramos à risca. Tomara sejam firmes os meus passos, para que eu observe os teus preceitos." Salmos 119:1-5



quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Quando uma criança morre, ela vai para o céu independente da fé de seus pais?


Recentemente estive em uma reunião com determinados líderes e nos foi levantada esta questão, na qual dei uma resposta à mesma e quero compartilhar a tal.
Desde cedo ouvimos que das crianças é o Reino de Deus e que da boca dos pequeninos procede ao perfeito louvor. Até aqui tudo bem, mas muitos pastores ou religiosos, crêem que as crianças ou bebês estão isentos de condenação por não possuírem pecados por estas confissões mencionadas acima.
Ora isto é um grande erro doutrinário. Tais palavras foram mencionadas por Jesus nos evangelhos, como nas referencias de Marcos 10:14; Mateus 19:13-14; Mateus 21:15-16, mas em nenhum momento vemos o Senhor Jesus dizer ou mesmo fazer alguma menção que elas não possuem pecados.
Pelo contrário, Jesus chama a atenção de seus ouvintes para terem cuidados com elas para não se perderem (as crianças eram tidas como pessoas de segunda classe na época de Cristo, eram desprezadas), vemos isto em Mateus 19:14 Jesus reclamando dos seus discípulos pois eles poderiam colocar tropeços para as tais chegarem em seu reino. Vemos também a maior prova que as crianças devem ser tratadas como pessoas que possuem o pecado original (herdado de Adão) em Mateus 18:10-14, o Senhor nos manda não desprezarmos as mesmas, pois não é a vontade de Deus que as crianças se percam! Ele veio salvar o que se tinha perdido.
Note que isto se relaciona com o texto de Salmos 51:5 onde Davi ao confessar seu pecado de adultério, se lembra que esta condição de pecado se originou desde o ventre materno.
Pense assim, que antes da queda do homem, não iria existir a morte nem as enfermidades! Porém com o pecado, tais males atingem a humanidade. Pois bem, se as crianças não têm pecado, então elas não poderiam morrer e nem ficarem enfermas, porque isto só ocorre por causa do pecado!
Diante disto posso dizer que toda criança e até mesmo bebês, fetos e tudo que tem o gene do ser humano, habita ali o pecado.
O que difere a criança de um adulto é a completa consciência das conseqüências de seus atos. Por mais que uma criança compreenda que o que ela está fazendo está errado, como por exemplo, desobedecer a seus pais, jamais alcançaria o entendimento de um adulto com relação a isto.
Todos os pequeninos têm um instinto de maldade neles. Sentem ciúmes por meio da inveja, cobiça, são egoístas, desobedecem, enfrentam os pais, dão birras, murmuram quando não são atendidos em suas vontades. Quero chamar a atenção que para isto, não são ensinados. Ninguém ensina os filhos sentirem cobiça ou serem desobedientes ou birrentos é algo que já nasce com eles, é claro que uns são mais e outros menos, porém todos possuem estas raízes do pecado.
Bem, com todo este aparato, creio que já começou a chegar a uma conclusão. De que até as crianças precisam de Deus.
Voltando um pouco atrás, insta dizer que as crianças que o Senhor Jesus se referia nos textos passados, eram crianças israelitas, ou seja, tinham desde cedo uma aliança com Deus, eram filhos da aliança. E como Jesus tratou uma menina que não era parte da aliança?
Vemos o texto de Marcos 7:24-30 uma mulher pagão intercedendo ao Senhor por sua filha que estava possessa por um demônio. Nas traduções pesquisadas notei que esta filha era uma menina, uma criança. É de se dizer que esta menina ficou desta forma por causa de sua mãe que no mínino deve ter consagrado ela a algum deus pagão. Pelo que Cristo mostrou de primeiro que Ele não tinha parte com quem não fazia parte da aliança com Deus.
O que pegamos com isto, que Deus tem cuidado com os seus, e faz o mesmo com os filhos de quem tem aliança com Ele. Vemos isto em Êxodo 20:5-6.
O novo testamento tem um texto que é forte sobre isto. Em 1 Coríntios 7:14 diz: “Porque o marido descrente é santificado pela mulher e a mulher descrente é santificada pelo marido. Doutra sorte, os VOSSOS FILHOS SERIAM IMUNDOS; mas, agora são santos (separados – filhos da aliança)”.
Podemos concluir pegando tudo que foi dito aqui e resumir dizendo:
Que as crianças são pecadoras (independente se são ou não filhos de crentes);
Precisam de Deus em suas vidas;
Deus tem uma ligação mais fácil com elas do que com os adultos;
Deus tem uma aliança em separado com os filhos de quem temem a Ele.
Finalizando então, é muito complicado dizer que todas as crianças estão salvas, mas também é complicado dizer que só os filhos dos que servem a Deus estão salvos (porque as tais, mesmo que pecadoras, possuem uma inocência que falta nos adultos).
Posso então colocar de duas maneiras a resposta final assim:
·         Todas as crianças são salvas, mesmo as que não tem um conhecimento do Deus verdadeiro e nem são filhas da aliança, pela misericórdia de Deus, pois são ignorantes com relação a palavra de Deus;
·         Somente as crianças que tem Deus em seu coração ou são filhos de pais que os consagram à Ele é que são salvas, as demais se morrerem estão perdidas por não pertencerem a aliança.
Em ambas não há qualquer injustiça! Na primeira creio que é o pensamento da maioria, sendo assim, não vou me aprofundar. Com relação à segunda resposta e creio que é a mais polêmica, por contrariar o bom senso das pessoas, devemos levar em conta a SOBERANIA de Deus.
Temos textos na palavra que nos ensinam a entender a soberania de Deus, como 1 Coríntios 29:11-12; Salmos 135:6; Salmos 62:11; Jeremias 10:12-13. De todos os citados, só faltou Romanos 11:33-36 que é o mais profundo no tema, por se tratar de um rejeição de um povo e acolhimento do outro, ou seja, algo que parece injusto se pegarmos os capítulos passados de Romanos, mas que a sabedoria de Deus por meio de sua soberania, mesmo que não compreendida, está muito mais elevada que nossas conclusões.
Estou querendo dizer que por mais que seja terrível a verdade desta segunda resposta, temos que entender que a soberania e sabedoria de Deus está acima de nossos “bons sensos de justiça”, porque o pecado levou e tem levado a humanidade para a perdição e isto engloba do mais velho até o mais jovem.
Que Deus nos abençoe e não deixe de orar e pregar para as crianças, pois independente das respostas, todas precisam de Deus.
Artigo relacionado com o tema:

Deus é ou não onisciênte?
http://templojovemvirtual.blogspot.com/2011/09/deus-e-ou-nao-onisciente.html

Na parte final do blog veja as matérias mais acessadas.

18 comentários:

  1. -
    Graça e Paz Prs Samuel!

    Nunca me esqueci da ministração que fez com este tema em um culto que mudou minha concepção (que acho que era como a maioria toda criança ia pro céu)e como você mesmo citou isso gera muita polêmica... Todas as pessoas com quem fui expor esse aprendizado não concordaram, o que é compreensível, afinal é triste pensar que uma criança pode ir para o inferno, mas quando pensamos no ambito espiritual a situação vai mais longe. Na ministração você até disse o seguinte: Um filho de macumbeiro que ao nascer já é consagrado a um espírito maligno, a partir daquele momento Deus não vai interferir na aliança que o pai fez do filho com tal espírito, e faz todo sentido, existem crianças que recebem o espírito santo, tal como as que ficam endemoniadas...

    Obrigado pela palavra Prs!

    Victoria Marques

    ResponderExcluir
  2. Paz Victoria,

    Realmente é algo que aterroriza as pessoas. Mas não disse que vão para o inferno os filhos de pagãos, disse que não sei a resposta, porém tanto um como o outro pensamente tem fundamentos na bíblia, a verdade só será revelada no dia do juizo, porém devemos pregar para as crianças como se fossem perdidas, pois se a bíblia manda, significa que elas precisam ser salvas.

    Deus lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite Samuel como vai tudo em paz vou colocar um comentario sobre esse assunto que muito complicado e dificil de falar nessa reuniao de lideres nao sei se aguem fez esse comentario mais vamos la.
    Ao completar 13 anos, o jovem atinge a maioridade religiosa judaica. Para marcar esta passagem, é celebrado o Bar-Mitzvá, uma cerimônia que ressalta a importância de cada um dos judeus na corrente ancestral do judaísmo. É nessa data que o jovem, pela primeira vez, coloca os Tefilin e é chamado para ler na Torá.

    ResponderExcluir
  4. O judaísmo considera o jovem de 13 anos maduro o suficiente para ser responsável por seus atos. Na Torá, Livro do Gênese, há um verso que indica que é a partir desta idade que um menino se torna homem. Referindo-se a dois filhos do patriarca Jacob, Shimon e Levi, narra o texto da Torá: "Cada um dos homens pegou sua espada...". Na época em que ocorreu esse episódio, Levi tinha 13 anos de idade. Ele foi a pessoa mais jovem a quem a Torá se referiu como "homem", revelando assim que aos treze anos é a idade em que um judeu assume a maioridade religiosa. De acordo com o Talmud, um menino torna-se adulto com 13 anos e 1 dia, independentemente do fato de ter ou não atingido a puberdade. Como as meninas amadurecem mais cedo, o Bat-Mitzvá, celebração de sua maioridade religiosa, é comemorado aos 12 anos.

    ResponderExcluir
  5. O Código de Lei Judaica ensina que, a partir dessa data, os jovens passam a ser totalmente responsáveis pelo cumprimento dos Mandamentos Divinos, as mitzvot, não mais os cumprindo apenas porque assim seus pais lhe ensinaram. Seu pai, portanto, deixa de ser responsável pelos seus atos, como está prescrito no Shulchan Aruch HaRav.

    ResponderExcluir
  6. Em hebraico, Bar-Mitzvá e Bat-Mitzvá, significam literalmente "filho ou filha do mandamento". A própria palavra revela a importância espiritual da data, quando a ligação de um jovem com o judaísmo se torna imutável. O judeu, em sua essência, é filho da mitzvá, ou seja, da Palavra e Vontade Divina transmitidas a nosso povo por D'us. Foi naquele momento, ao pé do Monte Sinai, que a ligação espiritual entre o D´us e o povo de Israel se tornou eterna. Façamos aqui um paralelo com a relação entre filho e pai. O filho pode até se afastar de seu pai, mas ele sempre continuará a ser seu filho. Da mesma forma, um judeu, ao longo de sua vida, ainda que se afaste de suas raízes, o vínculo de sua alma com D'us e com o judaísmo é eterno.

    ResponderExcluir
  7. Baseado nisso posso afirmar que a salvaçao dos filhos dependem dos pais ate alcançar a maior idade espiritual.O homem com 13 anos ,e a mulher com 12 anos,devemos esta sempre na presença de D'us,Nossos filhos dependem de nos.

    ResponderExcluir
  8. Samuel boa noite fique em paz!

    ResponderExcluir
  9. Olá Derson, tudo na paz.

    É como eu disse no artigo, há este ponto e a outro ponto de vista. Um tem uma corrente de misericórdia e o outro de soberania divina, ambos tem respaldo.

    Derson, há certas coisas na palavra de Deus que nos foi revelada por completo, outras já nao foram reveladas. Por exemplo: sabemos que Deus fez as estrelas e as chama pelo nome, mas Ele não revelou quantas estrelas e como de que maneira foram criadas.

    Este ponto de vista (do Bar Mitzvah) é mais uma tradição do judaísmo do que propriamente um mandamento bíblico. Há adolescentes que com 10 anos de idade já tem um senso do que é certo e errado como um adulto. Veja que o Rei Josias começou a reinar com 8 anos.

    O que quero dizer que isto é relativo (uma idade certa para a maturidade), vai de pessoa para pessoa.

    O que devemos é pregar sempre para os pequeninos, instrui-los no caminho do Senhor para que não venham jamais se desviar. Pois não nos foi revelado por completo se a salvação deles depende da fé dos pais, mas como nao temos certaza, devemos então pensar como se dependessem e pregar para todos.

    Que Deus lhe abençoe e valeu o comentário.

    ResponderExcluir
  10. Estava pesquisando sobre a assunto e conheci seu blog. Gostei do seu conteúdo. Voltarei outras vezes... Abraços... Walter... Dá uma olhada no meu também amigo....

    ResponderExcluir
  11. Amém Walter, pode deixar que vou dar uma olhada no seu. God bless you!

    ResponderExcluir
  12. Para mim, a resposta é muito clara, estando a mesma nos evangelhos, quando Jesus comenta
    que das crianças é o reino dos céus, e que para um adulto herdar este reino deve se tornar como "um pequenino".

    ResponderExcluir
  13. E, por falar em soberania de Deus, como foi mencionado, creio que justamente esta soberania
    dará ao céu as crianças, visto que Deus não pode ser injusto condenando um ser que ainda não teve o seu completo desenvolvimento emocional e mental, para decidir se aceita a Cristo ou não.
    Visto que foi o sacrifício pascal de Jesus que reconciliou a terra e o céu com Deus (Col. 1:20), concluo que a
    morte do nosso Salvador tem um efeito muito mais profundo no quesito "salvação" do que comumente nossos raciocínios, humanamente limitados, costumam apregoar.
    Aliás, quando Deus reconciliou consigo o mundo através da cruz de Cristo, não levou em conta
    os pecados que os homens cometeram até então. Como, pois, levaria em conta o pecado de crianças, que nem entendimento tem??

    ResponderExcluir
  14. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  15. Como é possível que em pleno século XXI ainda nos fazemos perguntas de questões bizantinas? As afirmações do texto são tão absurdas que eu esperava ver, nos comentários, as pessoas ridicularindo essa forma de compreender o mundo, no entanto estes teceram comentários mais absurdos ainda. Se existe realmente Deuses e eles agem da maneira como o livro sagrado de vocês diz, no mínimo esse deus não é nada bondoso, amoroso, justo. E se os deuses não possui essas qualidade que vocês atribuem, então só mostra que eles não existem.

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. A Bíblia ensina principios espirituais para a salvação(reeligação de Deus com o homem). Deus e os homens espirituais não estão preocupados com o que os não espirituais pensam dos ensinos biblicos. Voce esta exercendo o seu livre arbítrio, para voce mas não queira ser responsável em arrastar outros para um final das coisas que voce não conhece.

    ResponderExcluir